Passei no mestrado! E agora?

Olá pessoal!

Já conversamos um pouco sobre as etapas do processo seletivo. Agora, vamos imaginar que você tenha sido aprovado (caso já tenha sido meus parabéns!!).

Você está todo feliz, compartilhou a notícia com todo o mundo etc, etc.

Ok, é importante curtir esse momento, mas agora é mais importante se organizar para o curso em si.

Logo quando fiquei sabendo da minha aprovação, também comemorei coisa e tal. Mas, depois de uns dias me veio um aperto no coração: como eu iria dar conta de pesquisar, escrever e defender a dissertação, sendo que eu trabalhava em dois empregos? (sim, DOIS empregos!)

Submeti meu projeto para seleção de bolsa, mas não consegui. E agora?

Pois é… esse foi o meu dilema inicial. Não podia deixar o trabalho (ou melhor, os trabalhos) e tampouco ia desistir do mestrado. Então, só teria um jeito: otimizar o pouco tempo que eu teria “livre”.

E assim foi. Antes mesmo de fazer a matrícula comecei o levantamento bibliográfico.

Finais de semana, férias, feriados… foram todos dedicados à minha dissertação ao longo de dois anos e quatro meses. Sem falar nas brechas que encontrava no meu trabalho, como a hora do almoço, por exemplo: lá estava eu com minhas leituras e anotações…

Também utilizei do direito de pedir prorrogação do prazo para mais 120 dias.

Foi difícil sim, mas não impossível. Por outro lado, vi colegas que só estudavam ( com bolsa e morando dentro da USP!) que não conseguiram, por algum motivo, fazer o depósito da dissertação no prazo.

Cada pessoa tem um ritmo de estudo. Porém, o que quero salientar é a importância de se criar uma estratégia de estudos. E o mais importante: não subestimar o tempo. Ao contrário, otimizá-lo o máximo possível.

Então, através da minha experiência que venho compartilhando aqui no Blog, digo para você, que assim como eu terá de conciliar estudo e trabalho: organize-se. E para quem não tem essa necessidade, ou conseguiu bolsa: organize-se ainda mais!

Anúncios

15 comentários

  1. Com certeza Fernanda! Ainda não iniciei no mestrado e nem na vida profissional efetiva no cargo de Professor, mas posso imaginar o que passou nesta oportunidade e na realização de seu sonho. Já estou com meus pensamentos em direção ao futuro e também já imaginei-me tomando posse de uma vaga no mestrado e entrar em conflito com o sonho e a realidade. O sonho para alcançarmos exige projeção, busca, esforço. Já a realidade exige muito mais, exige além da busca, organização e muito equilíbrio.
    Creio que o fator que mais prejudica os estudantes é justamente não ter equilíbrio entre vida pessoal e o compromisso assumido com os estudos. Vejo gente reclamando do tempo (eu mesma já passei por isso), de não conseguir organizar-se, de não abdicar de passeios, reuniões em famílias, de dar atenção a quem precisa de você e gosta de você….
    Passar em um mestrado é um casamento que requer atenção exclusiva. Requer reescrita, requer pesquisa, requer muito, mas muito tempo.
    Mas afinal quem disse que é fácil a concretização de um sonho? Eu peço muito a Deus, luz, proteção, saúde e equilíbrio. Só peço isso…o resto eu corro atrás!

    • Olha Thaty, é bem como vc disse. É necessário muuuuuita dedicação.
      Não tem como deixar pra escrever no último mês ou coisa do tipo. Exige muita reflexão, escrita, reescrita… mas posso dizer com todas as letras que vale muito a pena. Não me arrependo de nenhum final de semana ou feriado que tenha “perdido” por causa do mestrado. Na verdade, penso ser uma questão de prioridade num dado momento da vida de quem assim optou.
      Bjkas! 😉

  2. Nossa, como me ajudou o seu post… Terminei minha pós (especialização) no 1º semestre e como ainda não montei meu projeto, pretendo monta-lo no 1º semestre de 2016 e tentar iniciar o mestrado no 2º semestre, porém sustento minha casa sozinha, minha mãe depende de mim, pago aluguel e todas as contas, etc… ou seja, não posso me dar ao luxo de parar de trabalhar… estou a procura de aulas p/ lecionar mas com a crise, está bem complicado, pois além dos cortes nas faculdades, junta a minha falta de experiência como docente… Andei pensando esses dias em fazer a loucura de tentar o mestrado e continuar trabalhando… tenho algo positivo, pois trabalho de segunda a sexta em um local onde ganho por dia e trabalho das 12:00 as 18:00… como as aulas são na parte da tarde, posso mudar meu horário p/ manhã em 2 dias da semana… Trabalho aos finais de semana tb, em dias esporádicos, pois tb tenho 2 empregos…. esse do escritório e outro por conta, onde vou quando surge trabalho… mas obrigada pelo posto… juro q me ajudou demaisss

  3. Essa possibilidade existe, mas tem que estar ciente que por 2 anos, terá uma vida de grandes sacrifício. O meu irmão tem 59 anos de idade, acabou de concluir o seu mestrado em uma das faculdades mais referenciadas do país, onde acumulou uma dívida de r$40.000,00, mesmo já tendo um curriculum que se for colocar toda a sua grade de formações, competências e até prêmios, o seu curriculum deveria ser apresentado sob formato de apostila, contando com diversas pós graduações, MBA, 2 graduações de ponta, 3 idiomas estrangeiros (fluentes) e cursos extras de especialização a perder de vista, já preencheu mais de 500 fichas de emprego e que não passa do filtro seletivo para as próximas etapas de aprovação, portanto, penso que se uma pessoa tiver que fazer mestrado, que seja o mais jovem possível, pois o mercado de trabalho NÃO valoriza aqueles que passaram uma vida inteira estudando, apenas por definir faixas etárias. Preferível nesse caso ou mudar do Brasil ou abrir um escritório de consultória, mas mesmo assim nenhuma das escolhas são fáceis. Triste realidade, mas é o que acontece na prática,

    • Oi Erica. Então, as aulas no mestrado, geralmente, são de manhã ou a tarde. E você pode, inclusive, cursar algumas disciplinas fora do Programa/Instituto onde está matriculada. Isso pode ser útil em termos de locomoção, otimização de tempo etc. Mas lembre-se que no relatório de qualificação você terá de justificar a escolha de cada disciplina e a correlação delas com sua pesquisa. 😉

  4. Oi…
    Não faz sentido achar que é possível conciliar trabalho CLT com mestrado acadêmico, né? Considerando que as aulas são à tarde, seria inviável manter a rotina de trabalho de 8/9h por dia + aulas de mestrado. Idealmente as aulas seriam à noite, como a graduação possibilita.

    No caso de ser aprovada no mestrado, de onde tiraria meu sustento? Com 1500 reais por mês, CASO a bolsa seja aprovada…?

    É um impedimento real e gostaria de saber como as pessoas fazem isso, porque não quero desistir antes mesmo de começar.
    Como você trabalhava em dois empregos e ainda conseguia ir nas aulas? Eram de horários flexíveis?
    Gostaria muito de uma luz nessa questão.

    • Oi Carolina!
      Eu conciliava meus dois cargos de professora de educação básica, no Estado e na Prefeitura de São Paulo.
      Como meus horários estavam distribuídos nos três períodos, eu tinha algumas manhãs e tardes livres. Era justamente nessas folgas que encaixava algumas disciplinas. Mas, no caso da disciplina obrigatória, por exemplo, tive de assumir várias faltas justificadas… Mas não me arrependo. Foi bem desgastante, porém muito gratificante. Faria de novo.
      Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s